Os Top 15 Jogos Promissores da Nova Geração

TOP 15 Jogos mais aguardados da proxima geração

A Nova Geração de games chegou (e com poucos jogos…), com o fim da era PS3, X360 e Wii, entramos em um estágio onde gráficos são fantasticos e com nivel de detalhes igual a de uma mega-produção de filmes.

Não estamos só mudando graficamente, como tambem estamos abordando novos temas com as historias apresentadas em novos jogos: Temos Gone Home e sua exploração sobre o homosexualismo, Bioshock Infinite e o racismo, Walking Dead da Telltale que explora a humanidade de uma personagem e o próximo Metal Gear Solid e sua abordagem sobre tabus politicos.

10 é pouco para essa lista, o que nos leva a fazer um TOP 15 Jogos Mais Aguardados dessa Geração.

15.

Mighty No.9

Admito que nunca curti tanto o Megaman com exceção de algumas instalações como Megaman X e Zero (e me dava vontade de estrangular alguem na internet, cada vez que via um comentário escrito “Megaman está morto”), mas Mighty No. 9 parece ser promissor.

Gráficos bonitos com jogabilidade que demonstra facilidade para novatos e familiarização aos jogadores da franquia Megaman, sem mencionar os diversos bonus inclusos, as divesas versões disponiveis e a capacidade de jogar em 2-Player.

Eu respeito Inafune como desenvolvedor, sem ele não teriamos franquias como Dead Rising e Onimusha, porém acredito que Mighty No. 9 sofre um pouco de crise de identidade, porque (vamos admitir) o jogo tenta fingir ser algo original quando na verdade, você já sabe que ele esta tentando repetir o sucesso de outra franquia (nesse caso Megaman); Olha, eu sei que faz tempo que não há um novo Megaman e que o Inafune queria mesmo desenvolver um novo jogo da franquia, mas, isso não significa que você deve repetir uma ideia, mudar o visual e tentar fazer com que uma pessoa goste da sua ideia, apesar do obvio plágio (Vale lembrar que Megaman não foi criado pelo Inafune, somente os Robot Masters, Dr. Willy e Light).

Apesar disso, Mighty No. 9 parece ser bem trabalhado e promete trazer de volta, o nivel de dificuldade retro.

14.

Bayonetta 2

Deveria estar mais alto, diz o Nintendista.

Não, essa merda deveria ser lançada para outros consoles, diz os Sonystas.

Bayonetta é um jogo que demonstra um estilo artistico lindo com cenários bem trabalhados e design de personagens, que mesmo sendo bastante hipster na minha opinião, é deslumbrante e original.

Com uma sequencia exclusiva para a plataforma Next-Gen da Nintendo que está sendo desenvolvido com uma participação minima do criador original da Bayonetta, Hideki Kamiya; Bayonetta 2 parece ser promissor e se o Reggie ativar o seu modo Highlander diante a equipe de Marketing do Wii U, talvez a Nintendo acha a solução dos problemas do Wii U (e talvez um bundle de Bayonetta 2 não parece ser uma má ideia).

A jogabilidade parece ser mais fluida, o design mais detalhado, a ação parece ser mais rapida e cativante, sem mencionar, o modo co-op que o jogo promete com a habilidade de jogar como Bayonetta e Jeane, respectivamente (Eu queria era jogar com o Rodin, que parece mais uma versão metrossexual do Morfeus do Matrix com voz de Morgan Freeman; mas acho que a Jeanne funciona).

Com Bayonetta 2, a Nintendo possui um baú de tesouros em suas mãos.

13.

Child of Light

Se você é um artista ou um animador, nós podemos concordar que os 2 ultimos jogos do Rayman são orgasmos artisticos.

Agora, o que acontece quando eu falar para você que o mesmo estúdio dos jogos do Rayman, estão fazendo um jogo inspirado nas animações do Studio Ghibli e com gameplay que tem como refêrencia, os JRPGs como o cult Chrono Trigger?

Esse é o caso de Child of Light, o mais novo titulo da Ubisoft Montreal; Que parece ser uma obra de proporções épicas aos meus olhos.

A UbiArt já demonstrava suas capacidades com Rayman Legends, mas com esse jogo, dá para ver que eles estão levando a capacidade da framework até o maximo com um design que mescla a arte oriental com aquelas vistas em contos de fada; Vendo as imagens desse jogo, dá para imaginar, não só as possibilidades dadas a engine como citei antes ou o fato que o gameplay parece ser simples, e sim que ele busca agradar aos fãs otakus de JRPGS e ao publico mais infantil que não é familiarizado ao universo gamistico.

Child of Light é promissor.

12.

The Elder Scrolls Online

A série Elder Scrolls ira roubar sua vida com esse jogo; Essa era a ideia necessária para a franquia, desde Oblivion; Com o sucesso de Dark Souls, e sua interatividade online, era obrigatorio a ZeniMax Media colocar um MMO da série Elder Scrolls no mercado.

O mundo dessa série e o continente de Tamriel com seus toques Tolkienianos e ar mistico, demonstram o tom épico que será explorado pelos jogadores desse MMO.

A não-linearidade da série, as diversas quests e os eventos randomicos que surgem a partir do sistema do jogo fazem com que esse titulo demonstre mais longevidade na hora de jogar e seu modelo de jogo promete estabelecer uma ordem entre os fãs da série com os gamers que mais frequentam o rumo online.

The Elder Scrolls Online Promete.

11.

The Crew

Nunca fiquei tão empolgado por um jogo de corrida antes desde Split/Second da Disney Interactive; Para uma pessoa que assiste Velozes e Furiosos, sempre deu vontade de sentir aquele emoção das cenas de perseguição da série.

As destruições fantasticas, a velocidade nas cenas de ação, os diferentes carros utilizados para certas funções e é claro, as explosões e cenas de capotamento.

O interessante desse jogo é que ele combina quatro fatores importantes que dão as características marcantes dessa nova franquia, esses são: o multiplayer online, elementos sandbox, um pouco de customização semelhante aos RPGs e a interatividade social desse jogo que é dada pela interatividade pelost tablets e as mecanicas share do PS4 e Xbox One.

O multiplayer está sendo utilizado muito em games de hoje, mas muitas vezes mostram ser despreziveis e alguns são somente adicionados pelo fato que eles precisam achar o jeito para o pessoal jogar mais o jogo (que nem o caso de Spec Ops: The Line e Bioshock 2); The Crew, por outro lado, mostra que o online quando utilizado corretamente, ele pode causar uma imersão social maior ao jogo e faz com que seu produto seja aditivo; Outro fator que pode ser mostrado como útil, é a relação tablet/smartphone com os games, mostrando que pode ser uma ferramenta interessante e cooperante á experiência.

The Crew é um motivo para ter um console Next-Gen

10.

Kingdom Hearts III

Já tava na hora, né porra?

A série Kingdom Hearts é um dos maiores sucessos da Square, a parceria entre a produtora e a megacompanhia que é a Disney (de uma maneira inesperada) deu certo, o seu mix de RPG, Hack n Slash e elementos que envolvem a série Final Fantasy e os filmes da Disney em um universo só poderia ter sido uma merda, mas no fim com a bela execução e um ótimo gameplay, virou uma série de sucesso.

E agora o tão esperado último capitulo é anunciado, e expõe a visão original de Nomura sobre a série.

Com gráficos se aproximando mais ao universo Disney com efeito de pincel brilhante e cores vibrantes por toda parte, incluindo no cenário e no design dos personagens; Os novos aspectos de gameplay parecem tornar o gameplay mais pelo fator de ação e agora tem a capacidade de transformar sua keyblade e ainda utilizar atrações da Disneylândia como armas (porque não há nada mais foda que derrotar o Sephiroth com o castelo da Bela Adormecida).

Porém, antes deles começarem a fazer o jogo, uma coisa que eles devem fazer: Pegar os Personagens de Star Wars.

Usa isto Disney e sua grana vai entrar num overdrive.

9.

Castlevania: Lords of Shadows 2

Com o reboot de Castlevania, a história ganhou um tom mais épico com uma direção de arte mais americana e uma sensão cinematográfica apresentada com a história e o desenvolvimento de personagens.

E agora com Lords of Shadows 2, a saga de Dracula contra Satan parece estar chegando ao seu climax; Dando ao jogador a habilidade de jogar com o mais temido vilão da série Castlevania.

Eu gosto da direção que estão indo com a série, o gameplay combina fatores vistos em jogos do tipo hack n slash como God of War e dá um tom único á essa mistura; Sem mencionar que agora com você controlando o Gabriel Belmont como Dracula, a MercurySteam pode criar elementos de história brilhantes como o fato da questão do bem e o mal.

Sim, você esta tentando salvar o mundo e tentar acabar com a tirania do Satan, porém, você mesmo é a própria incarnação do mal e possui um mesmo nivel de ameaça ao mundo que nem o Satan; E se Gabriel simplesmente quer acabar com Satan para ganhar mais poder e se a irmandade da luz realmente for corrupta.

O que é o bem e o que é o mal, essa questões serão exploradas, nesse novo castlevania.

8.

Super Smash Bros. For Wii U and 3DS

Se você está nem aí pro jogo, começa a prestar atenção; Se você ta falando que esse jogo vai ser uma bosta, você é um mentiroso e você sabe disso.

O novo Super  Smash Bros é graficamente lindo e detona esse argumento que gráficos de Wii U são uma bosta, com cenários que demonstram beleza em uma TV HD e modelos de personagens atualizados que foram refeitos e dados mais detalhes ao jogo.

Com novos personagens, novos estágios, a interação entre a versão portatil e de console entre o jogo, o fato que as duas versões sentem completamente diferentes, o gameplay voltado ao rumo do Smash Bros. Melee e um prometido modo online superior ao de Brawl com o sistema Nintendo Network mostra que esse Smash Bros está com tudo.

A Nintendo está realmente seguindo as ordens dos fãs como está provado nos trailers e os screenshots diários dos desenvolvedores, e vendo os detalhes do jogo, dá para ver que eles buscam trazer a competitividade dos jogos de luta como Street Fighter e Tekken para a série (inclusive fazendo uma parceria com a Namco Bandai no Jogo).

Esse fator da semelhança com os jogos de luta mais a mecanica de jogo semelhante aos party games da Nintendo, cria uma mistura perfeita para o game e que pode cativar os jogadores novatos á série e pode finalmente com que a série ganhe respeito aos fãs de jogo de luta.

Super Smash Bros. For Wii U and 3DS pode ser a melhor instalação da franquia desde Melee.

7.

No Man’s Sky

Feito por 8 Pessoas, esse jogo demonstra as capacidades de um jogo de nova geração.

Se Space Dandy ou Cowboy Bebop tivessem um jogo, definitivamente seria No Man’s Sky com seu foco de exploração universal, com cada coisa tendo seu ecossistema, seus perigos e suas caracteristicas; Sem mencionar a variedade de veiculos encontrados e as formas de combate possiveis de executar no jogo.

Vindo de uma companhia cujo seus jogos era da série Joe Danger, é impossivel acreditar o quão bom parece esse produto.

Ele demonstra ambiciosidade, um gameplay robusto, gráficos coloridos e energeticos e é claro, a originalidade.

Preciisamos de mais jogos como No Man’s Sky, para influenciarem jovens de todos os cantos do mundo á entrar no universo de desenvolvimento de games.

No Man’s Sky, não esqueca esse nome.

6.

The Evil Within

Enquanto na área de cinema, os filmes de terror estão devagarmente crescendo com filmes tipo “Atividade Paranormal” e “The Conjuring”; Os jogos de terror ficam em baixa e o gênero começa a se fundir com o gênero ação como no caso de Alone In the Dark.

Vendo que a franquia que antes trabalhava (Resident Evil), está declinindo em qualidade e que o gênero de horror não está funcionando recentemente, Shinji Mikami promete trazer essa experiência de volta, com o seu ultimo jogo na sua carreira de desenvolvedor de jogo: The Evil Within.

Com uma história pesada, cenários pertubadores e claustrofobicos e cenas de violência pertubadoras, Evil Within mostra que a evolução gráfica da nova-geração pode ser horripilante.

Dá para ver a influencia ocidental desse novo jogo (e inclusive alguns elementos de jogos anteriores de Kamiya como Resident Evil 4 e Shadows of the Damned) não só no aspecto de design de personagens e na trama, como tambem na fase de desenvolvimento, para aqueles que não sabem, esse jogo está sendo co-desenvolvido pela empresa de Elder Scrolls e Fallout: Bethseda.

E com essa parceira americana-japonesa, The Evil Within é um projeto interessante.

5.

Destiny

Muitos podem odiar Halo por ter spawnado a febre FPS (em especial as pessoas desse site), mas não dá para negar que a BUNGIE é uma das melhores companhias á ter chegado no mercado dos games.

Eles são simpáticos, sempre abertos aos fãs e sempre inovam seus jogos; Talvez a franquia mais popular deles é nada mais que Halo, um FPS inovador que mescla uma história sci-fi cheia de simbologias á religião nórdica e cristã com gameplay suave e com um multiplayer divertido.

Sem Halo, nunca teríamos esse boom do mercado online, e agora com esse aspecto online em mente, vem ai: Destiny.

Já pensou se Borderlands, Halo, Dust 514 e Warframe se misturassem e formassem um jogo só, a resposta seria Destiny da Bungie; Da para ver a dinamica online massiva desse jogo e o objetivo de criar um universo amplo para futuros sequels nesse jogo, e vendo gameplay de Destiny em algumas expos, eu estou impressionado.

O jogo não sofre nenhuma queda de framerate, a ação do jogo é constante, o nivel de customização parace ser enorme e a iluminação e os efeitos especiais de ambiente são FO-DAS-TI-COS.

Destiny é o jogo MMO que eu espero que outras companhias sigam esse modelo.

4.

inFAMOUS: Second Son

Eu amo inFAMOUS, a série demonstra ser uma resposta da Sony aos recentes filmes do Christopher Nolan sobre o Universo DC como o Cavaleiro das Trevas e o Homem de Aço.

E Second Son não desaponta, claro que tá perdendo o Cole, mas o novo personagem parece ser mais humano e divertido comparado ao homem-elétrico dos primeiros jogos; Sem mencionar a evolução gráfica do Jogo comparado aos seus prequels, com uma Detroit bem renderizada e movimentos faciais perfeitos ás personagens.

Outro fator que irá fazer com que a experiência de inFamous seja suprema, será a liberdade de poderes; Sem mais dá choquinhos viadinhos como se fosse um clone do supershock num inimigo, agora você irá fritar, neonizar e fazer um bando de coisas contra seus rivais.

Lindos gráficos, uma história promissora, boa seleção de músicas para acompanhar (“Heart Shaped Box” do Nirvana, gostei disso, Sucker Punch) e liberdade maior na hora de usar poderes, inFAMOUS: Second Son parece ótimo.

3.

Final Fantasy XV

A Lightning finalmente morreu, e como estou feliz com isso (Benefícios de odiar um personagem de jogo: Você pode sorrir sobre a morte deles), eu achava que aquela saga não ia acbar, sério.

A gente ficou 6 anos nessa mesma praia; De personagens esqueciveis e sem um pingo de personalidade, de uma história que plagia completamente o Final Fantasy 7, do fato que a Lightning virou a barbie da Square Enix com as diversas roupas de Lightning Returns e como o gameplay era TÃO LINEAR.

Agradecidamente, eles puseram o Tetsuya Nomura como diretor, e cara, a visão dele de Final Fantasy é brilhante.

Originalmente sendo parte de Final Fantasy XIII (sendo chamado de versus XIII, só que Enix provavelmente falou “Não, que é isso? Belos designs, gráficos ótimos e design interessante? Não isso não é FFXIII, ele tem que ser lixo se quer alcançar esse titulo, muda o nome ou algo do tipo”), Final Fantasy XV busca criar uma relação entre a audiência japonesa e americana.

Agradando os japoneses em seu design de personagens semelhantes ao de Kingdom Hearts (tambem feito por Nomura), o seu cenário em Shibuya e os típicos elementos Final Fantasy; E agradando ao público americano com sua história girando em torno de mafias, elementos de shooter no jogo e sua liberdade no sistema de combate que é semelhante a um Hack N Slash.

Vamos checar os pontos desse jogo, que tal? Graficos ótimos: Checado; História realista, porém com abordação fantastica: Checado, Um Bom Diretor: Checado; Não é Final Fantasy XIII: Checado.

2.

Dragon Age: Inquisition

Eu fiquei horas me olhando no espelho decidindo quem seria o número 2; E sabia que depois de horas e horas, olhando em detalhes desses games que vão lançar, a minha escolha seria Inquisition.

A Bioware é uma ótima empresa, constantemente fazendo jogos de diversos gêneros e com aspectos humanos neles.

Mass Effect é uma ótima opera espacial; Ele tem personagens com caracteristicas únicas, um ambiente e universo interessante, exploração de tópicos como religião e politica, sem mencionar o fato que Seth Green (o filho do Dr. Mal da série Austin Powers) faz o personagem de Joker; MDK2 é um classico e sua comicidade é única; E a subsérie Old Republic do universo Star Wars, sem comentários.

Porém, aí vem Dragon Age; A série tinha começado excelentemente com o primeiro titulo: Origins, que foi considerado um dos melhors Western RPGS da geração passada, rivalando titulos como Fallout.

Porém, com o 2 sendo voltado á ação (junto com outros fatores como a qualidade médiocre do ultimo jogo da Bioware na franquia Star Wars e o Final Controverso de Mass Effect 3), a Bioware se viu perdendo o legado de fãs que ela tinha conquistado no passado.

Porém, elas prometem consertar a cagada com o mais novo jogo da franquia Dragon Age; Com uma direção mais voltada á estratégia (um aspecto marcante no Dragon Age original), Inquisition mostra que jogos recentes requerem cabeça.

Nova camera tatica para focar no aspecto de combate estratégico, um mundo mais aberto que Skyrim com milhares de side-quests a fazer, um sistema de AI mais inteligente para os party members e o meio aspecto favorito, os diferentes modos de jogar (É um fã de Final Fantasy Tactics? Usa o modulo estratégico do primeiro jogo; É fã de jornadas épicas como em Skyrim? Use a camera e o gameplay de Dragon Age II para influenciar sua experiência).

Dragon Age Inquisition pode ser o melhor jogo da Bioware nesses ultimos tempos.

Tá na hora de ir pro número 1, mas antes, que tal umas menções honorosas?

Titanfall

Sim, eu sei que esse jogo existe.

Sim, eu sei que esse jogo tem robos gigantes.

Sim, eu sei que é feito por ex-membros da Infinity Ward.

Sim, eu sei que é exclusivo para Xbox-One.

Não me entenda errado; Eu adorei jogar a beta de Titanfall (mesmo com alguns bugs), eu acho ele divertido, a mecânica do jogo é interessante, a competitividade e o gameplay difere de FPSs recentes, porém, eu não acho esse jogo uma grande coisa.

Divertido, sim; Uma fera inovadora que irá destruir tudo em seu caminho e criar uma nova era de games? …Não…

Ele é interessante na sua mecânica de integrar missões semelhantes a um modo história e cutscenes bem elaboradas para partidas multiplayer e sua mechanica de utilizar mechas em gameplay é legal mas já foi utilizada em Hawken, então não tenho nada a dizer além de boa sorte Respawn Entertainment.

Mario Kart 8

Mario Kart é uma franquia divertida da Nintendo; Nunca muda a formula tanto, mas quando você joga com seus amigos reunidos, é a melhor experiência gamistica que você já viu.

Agora com gráficos ótimos e uma mecânica de gravidade zero que parece legal, o titulo aproxima mais aos jogos de corrida.

Não tem muito comentário a fazer sobre esse jogo, exceto que é Mario kart, que o multiplayer irá ser massa e um jogo que nem esse com constante 60 FPS?…Tô dentro dessa.

The Witcher 3: The Wild Hunt

The Witcher foi sempre uma franquia cult entre os gamers, sendo um jogo que é considerado um objeto cultural em seu país de orígem (inclusive uma cópia do segundo jogo sendo entregado para Barack Obama pelo Presidente da Polônia, sim isso realmente aconteceu); E agora com a nova geração, chega tambem a nova geração de Witcher.

Já era uma jogo bonito, já era bastante aberto e rivalizava até a série Elder Scrolls.

Agora, The Witcher leva as capacidades dos consoles da última geração á um nivel extremo; Graficos lindos, sem loading screens e com diversas improvações comparado ao segundo jogo, chegou a vez de Witcher 3 brilhar.

Whore of the Orient

Muitos não sabem sobre Whore of the Orient e não culpo.

Considerado o ultimo jogo da Team Bondi, sua data de lançamento ainda não está confirmada e o pessoal nem sabe se o jogo vai lançar, já que a Bondi falou que ela iria continuar a trabalhar no jogo e a publicadora desse jogo mostrou alguns videos de gameplay dele; mas a Team Bondi fechou as portas faz 3 anos e seu nome é mais sujo que a bunda do Cascão, então até agora o jogo tá nesse estado de Gato de Schroedinger.

Ninguém abriu a caixa, e ninguém sabe se a porra ta morta ou ta viva (mas, para ser honesto, o gameplay parece ser legalzinho)

Middle-Earth: Shadow of Mordor

Todo mundo que eu conheço provavelmente é um fã da série de livros Senhor dos Anéis.

Eu não culpo; os livros são fantásticos, com seu próprio universo e cheio de analogias ao mundo real (tipo sabia que a Torre de Sauron foi baseada numa cidade-industria (tipo Fordlandia) na grã-bretanha?), e os filmes dirigidos e produzidos pelo neo-zelandês Peter Jackson são obras-primas modernas e seus efeitos computacionais mantêm seu charme até hoje.

E agora, a trilogia Senhor dos Aneis irá receber o seu melhor jogo em 2014, com um sistema nemesis interessante e a habilidade de jogar como um Nazgul (FUCK YEAH).

Eu ia por esse jogo na lista, mas com a controversia de um suposto plágio de Assassin’s Creed Brotherhood, eu decidi colocar somente como uma menção.

Jojo’s Bizarre Adventure: All Star Battle

Quem me conhece, sabe que eu sou um fã de Jojo level Duro de Matar; Acho a série fantástica, com uma bela mistura de ação e humor, toques artisticos refinados e histórias que misturam um roteiro bom com uma insanidade nipônica .

O jogo já foi lançado no Japão faz um bom tempo, mas só agora que vai lançar nos EUA (e ainda sem mês de lançamento); Vendo os gameplays, esse jogo mistura Heritage for the Future com os excelentes Ultimate Ninja Storms do Naruto, com comandos facéis porém com o estilo mais jogo de luta.

Porém o que me deixa puto é o lançamento limitado que a Namco tá fazendo com esse jogo (e ainda SÓ É DISPONIVEL PARA AMAZON), isso realmente me deixa puto, enquanto Saint Seiya que mal tem audiência nos EUA recebe um lançamento por tempo ilimitado, JoJo que tem uma fanbase em sites de jogos de luta fica com esse lançamento lixo.

Enfim, JoJo é otimo e qualquer jogador de jogo de luta deveria jogar.

E o Número 1.

1.

Metal Gear Solid V: The Phantom Pain

Metal Gear Solid é uma franquia única no mundo dos games; Seus roteiros são ótimos e bem escritos, a ideologia politica e filosófica exposta na série é pesada e geralmente de significado profundo, personagens únicos e diferenciados e um excelente estilo cinematográfico demonstrado na série que iria mais tarde inspirar outros jogos.

Metal Gear mostra que games podem ser mais que “Joguinhos toscos de crianças” ou “um desperdicio de tempo”, e recebeu varias criticas positivas de varias pessoas de Hollywood como os Irmãos Wachowski e JJ Abrams; Metal Gear demonstra a profundeza que se pode fazer numa história de um jogo e tambem mostra a dedicação que uma pessoa pode fazer para seu jogo (nesse caso, Hideo Kojima).

E agora, com a nova geração, bom, eu preciso falar alguma coisa, esse Metal Gear está de cair o queixo!

Primeiro, os gráficos estão excelentes, a FOX Engine expõe efeitos de iluminação incriveis, modelagem de personagem robusta, a falta de loading screens para a aventura e cenas de jogos que são feitas com gráficos semelhantes á jogabilidade evitando a diferença ou queda de gráficos entre o gameplay e as cutscenes.

Segundo, a história é promissora, ela demonstra a mudança de personalidade do personagem de Big Boss; vendo que tudo aquilo que ele lutou não mostra significado, e que o seu maior inimigo pode ser ele mesmo, vendo ele mesmo como um “Punished Snake” sendo constantemente manipulado e demonstrado na cena que ele atira em crianças, talvez ele veja em si que não há heroís na guerra e até os melhores amigos (nesse caso, o Kaz) pode tambem ser o seu possivel maior inimigo.

Terceiro, a jogabilidade, exploração por mundo aberto, o uso do cenário e do tempo como uma mecânica de stealth e os diferentes efeitos de cenário (como chuva e tempestade de aréia) provam ser mecânicas interessantes á metal gear.

Sem mencionar o promissor Multiplayer, que ainda tem que ser demonstrado.

Mas tirando isso, Metal Gear Solid V é a minha escolha do ano.

E você?

Quais são os seus jogos promissores?

Deixe a sua opinião nos comentários e não se esqueça tambem de ver minhas outras reviews sobre os Top 20 Jogos de Playstation e o Vega Vs. Sobre Criticas do Wii U.

Vega Vs: http://mr-videogame.com/blog/2014/01/29/vega-vs-criticas-do-wii-u/

PS2: http://mr-videogame.com/blog/2014/01/26/top-20-jogos-de-playstation-2-pt-1/

Comentários

Sem Spoiler Por favor.