Review: Constantine 1ª Temp. Piloto.

constantine-série

 

Não é novidade o que a DC comics tem feito na TV. Desde o Batman “gordo” dos anos sessenta a série Flash, a editora trouxe boas séries, sempre junto a Warner. E trás este ano, direto das páginas de Hellblaze da Vertigo, Constantine, o exorcista líder da Liga da Justiça Sombria.

Antes que você aponte o dedo e acuse a série de copiar Sobrenatural vale a menção de que o movimento é inverso. A série dos irmãos Winchester é claramente inspirada na obra de Alan Moore, que é mais antiga basta olhar o figurino do exorcista, que lembra muito um determinado anjo. No entanto tudo em Constantine faz lembrar Sobrenatural, de tal modo que chega a incomodar. Símbolos de ocultismos, sal na porta, exorcismo em latim e tudo que você puder imaginar estão lá.

https://www.youtube.com/watch?v=uPE2oBnzROY

Na trama Constantine já se encontra em tratamento em um manicômio após um traumático ritual que visava salvar uma menina chamada Asha, que acaba de forma desastrosa. Voluntariamente o exorcista se interna, porém lá recebe de um demônio o aviso de que Liv, filha de um amigo, corre perigo. Movido por uma divida com o pai da garota, Constantine abandona o internato e corre para protege-la. Ainda assombrado pela perda de Asha, Constantine e seu ajudante Chas unem-se a Liv, que com seus dons paranormais ajudarão outras pessoas ainda que o exorcista se passe por um anti-herói.

Keanu Reeves ajudou a popularizar o personagem em seu filme, que apesar de não ter agradado muito os fãs, por se distanciar da idéia original dos quadrinhos, não é de todo mal. Questão essa que esses mesmos fãs não podem se queixar nesta série. As primeiras imagens de Constantine já chamavam a atenção pela semelhança com o original, e o tom do personagem parece, por enquanto, estar bem acertado.

A boa noticia é que este primeiro episódio pode te deixar interessado o suficiente para ver o próximo. Mas é difícil saber ainda se irá durar as mesmas dez temporadas do seu principal “concorrente”.

Nota: 6,5/10

Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *